23.2.14

Dos momentos sem nome...

Dos momentos sem nome... em que me atravessas a mente, em que te possuo sem autorização, em que te ordeno que me fodas, sem piedade, mas com jeitinho na alma. Em que as minhas mãos me elevam  aos céus, onde danças junto a mim. Ai, esses momentos em que suspiro, em que transpiro o teu nome, em que grito orgasmos pela boca, em que morro pela ponta dos meus dedos e te faço nascer dentro do meu peito. Em que deixo de ser tão forte, em que baixo as guardas, em que sou apenas eu sem limites, cheia de vontades incontroláveis, em que me deixo conduzir pelo desejo, pela fome que tenho de ti. Guardo-te as palavras, os sons, a calma com que me falas, e uso-a nessas horas, em que sozinha me faço acompanhada de ti. Em que te faço sorrir! Em que te sou mais do que aquilo que imaginas, aquilo que dizes que não queres, o que ignoras pelo sofrido do teu passado. Mexes-me com as entranhas de uma forma que não consigo controlar, mesmo controlando tudo o que falo. Mas nessas horas não há impedimentos da alma, da voz, do passado... que me impeçam de deixar a temperatura subir, de sorrir depois de me encharcar em suor e fluidos, sentindo-te mentalmente dentro de mim. Morres[me] nas mãos... e eu renasço a cada vez que o fazes!

6 comentários:

Imprópriaparaconsumo disse...

Perder - se no abandono do corpo. Momentos intensos sentidos na pele. :)
Um beijo grande em ti :)

Shiver disse...

Nectar dos Deuses :)*

Jorge disse...

Bebia esse néctar até à última gota....

Sil Maria disse...

Adoro perder-me em mim...
:)))



beijo na "tonta"

Sil Maria disse...

ó ó
;)

Sil Maria disse...

Será que acredito!!!!
:P