23.8.13

Contrastes

E é no vazio que o rio se desarma, se alaga e se faz desabrochar fazendo-me sentir quem sou hoje, ontem e sempre! É nos pingos de suor que me banham o corpo que a certeza de mim mesma eclode, de ser a ostra fechada em cativeiro... perdida nos tempos.... nos caminhos sem saída, de onde se perdeu um dia, em ruas de sinal sem volta. E talvez, um dia volte, talvez um dia alguém me veja tão nua que não tenha medo de atravessar o deserto onde vivo... Talvez a vida um dia me presentei com algo além mim, porque nas minhas mãos não existem mais escolhas, não existem mais acções, nem alternativas, o fim da linha ficou esgotado, e somente resta esquecer-me de mim, perdida nos braços do desconhecido, um corpo sem mente, uma asa quebrada, de um carrasco ausente que faz executar a sentença ditada nas margens da inocência. Resta-me deixar que a maciez do atordoar dos sorrisos escritos pelo toque de umas mãos, do beijo de uma boca sequiosa de mim, me faça esquecer que respiro... Resta-me sorrir à vida para que ela me devolva o renascimento inteiro!

8 comentários:

Soul disse...

Sorri-lhe, pisca-lhe o olho...verás que ela te acena e retribuirá!

Deixo-te um sorriso :)

JLynce disse...

Oh boa, não dá para te seguir, mas vou linkar-te!
Kissitos, lindona!
:))

Sil disse...

Sorriso devoldido, menina linda!
:D

Sil disse...

Kissitos gato selvagem
:)

Emilie disse...

Bonito, querida :)

E quando menos esperares, a vida encontra-te :)

Um beijo*

Eros disse...

Desejo-te renascida meu Anjo...
Qualquer coisa estamos aqui... estou aqui!

Beijo enorme querida Sil!

Sil disse...

É quem sabe isso acontece!
:)






Beijos

Sil disse...

Obrigado!
:)




Beijo grande