14.7.13

Doce derretido!


Os olhos fecham-se e a lembrança dele envolve-lhe a alma, pedindo, exigindo, ordenando que lhe obedeça, que se renda num jogo indecente de se dar. A cada vez anseia por mais, deseja mais, sente mais, perde-se de si, para nascer nele, derretendo-se ao toque dos seus dedos que ainda perfuma as curvas delicadas do seu corpo macio, arrepiado, entregue sem pudor, sem medos, nua de si mesma. É uma fusão de mentes, onde as almas se fodem sem limites, onde se querem tanto que ela quase lhe sente o cheiro a orgasmo, e o sabor que lhe restou na língua. Quisera ela, parar o tempo para resgatar a memória viva dos segundos em que ele lhe penetrou o corpo, e a fez subjugar-se aos desejos dele gritados pela alma dela. E perdida entre sonhos e palavras sussurradas por ele afunda-se devassa e intensamente em si mesma na tentativa de o trazer de volta a si, de o sentir enterrado nas suas entranhas num frenesim alucinante que lhe consome o corpo e a alma, fazendo-se pele de si mesma, para depois sossegar lentamente e adormecer coberta de mimos lânguidos de quem chegou ao céu.

8 comentários:

Fernadolisboa disse...

Humm tesao, gostoso para começar o domingo...

Vício de Ti disse...

As lembranças são terríveis mas conseguem a particularidade de nos permitirem (re)ver as situações inúmeras vezes. As que nos apetecer! :)

Gostei muito do texto e da imagem!

Beijinho

Emilie disse...

Oh, que bonito :)

Há memórias que se sente o toque... :)

Um beijo*

lusoma mar disse...

podemos sentir o toque e ficar se memórias tal a paixao....
ou não...
kiss

Sil disse...

Começar e terminar também... e com prolongamento!?
:)

Sil disse...

Lá está, é quase um mp3, em modo de repetição, e se nos deixarmos levar, quase sentimos de novo.
:)






Beijocas

Sil disse...

Há memórias que simplesmente ficaram entranhadas em nós, por todos os poros...
:)






Beijo

Sil disse...

Pode, depende da intensidade!
:)