17.6.13

Faz tempo que tens a chave

 
Há sempre uma hora que não vale a pena resistir, mais vale aceitar o destino.
Se és tu que me está reservado, que seja!
E que seja por inteiro, com a alma (aquela que dança contigo há tanto tempo) e o corpo fundidos.
É na ponta dos meus dedos que nasceu esse desejo crescente que nos governa aos dois nas horas tardias e secretas, onde só eu e tu bailamos ao som dos gemidos que as almas gritam...
E é na ponta dos teus dedos que o meu corpo se derrete a pedir por mais, sempre por mais...
Mais do que me envenena as veias, que me embala o coração e me transcende para um mundo que só nós conseguimos ver, sentir, só nosso.
Eu sei, partiste-me a resistência ao meio, levaste a chave da minha fechadura, e agora estou amarrada a ti, pela eternidade dos segundos que se fazem dia e noite nas palavras que partilhamos.
Somos, seremos, e um dia o teu desejo será a realidade que se realizará.


2 comentários:

Lynce disse...

Já vi que tens o meu blogue na tua lista de seguidores, e desde já agradeço, como ainda não descobri a forma de te seguir, vou linkar o teu blogue.
Obrigado, simpática!

Sil disse...

De nada gato selvagem... always a pleasure!
:))