26.6.13

Enamoro[ME][TE]

Chegas de mansinho, acariciando-me a alma, sustendo a respiração que ansiosa se dobra a ti. Encostas-me à parede e percorremos os cantos e recantos que a tinta tem vincada na nossa pele, deixas-me sem ar, sem chão para pisar, na certeza de te sentir no suor que me lambe o corpo, dorido de esperar por ti. Sei-te com a palma da minha mão, no sabor da minha língua, ávida da tua, que desesperadamente suga a tua, na ânsia de morrer-te nas mãos. Fecham-se se os olhos, e acordamos do outro lado da lua, onde a noção do tempo e do espaço não existe, apenas o perfume do enlace dos corpos, e o desejo carnal das almas que se consomem uma na outra, sem fim, nem principio, porque um dia já o deixaram de ser.

2 comentários:

Soul disse...

E como é mágico,como é pleno esse desejo.
Vive,Vive o mais que puderes,porque isso é presente da vida.

Menina, beijo

Sil disse...

Não tenhas dúvidas que vou viver.
A vida já é um presente, apesar de tudo.
:))