27.5.13

Tear drop


E às vezes tenho a nítida sensação que as coisas só o são quando estão a acontecer, depois já nada permanece como estava antes do acontecido, às vezes fica pela possibilidade do acontecer, e não acontecendo, perde-se até o momento no tempo. Serão os outros mais fugazes que eu!? Serei eu demasiado emotiva!? Exageradamente faminta de sentir tudo no mais extremo!? Quero tudo no máximo, e no entanto, às vezes, o que obtenho é tão minúsculo que parece criar um vazio, as pessoas não se dão mais ao trabalho de se entregarem sem medo. Se dá trabalho fogem! Se é preciso percorrer um caminho mais longo, desistem de o percorrer por demorar o tempo que parece ninguém ter. Mas as relações humanas não podem ser pensadas, nem racionalizadas só sentidas.

6 comentários:

lusoma mar disse...

e só depois dessca caminhada , dessa permanencia do querer , do caminho percorrido, assim o prazer tem mais sentido e se pode saciar essa emotividade faminta..
:)

Sil disse...

Lindas palavras, resta saber se realmente não serão apenas palavras????
:)

Eros disse...

Como te entendo... como este texto me é familiar...
É a fugacidade do momento. Aquela cápsula tão promissora que rebenta com uma curta esperança de vida. Mas há sempre algo lá fora... aí mora a esperança. No âmago pelo qual nomeamos a nossa demanda, buscando o poder do Sentir num planeta cada vez mais robotizado numa Racionalização assoberbada.

Ricardo Santo disse...

Sil

Interessante cantinho este
Luxuria à flor da pele
Definitivamente a acompanhar ;)

O Santo Diabinho
o.santo.diabinho@gmail.com
http://desejosescaldantes.blogspot.com/

Sil disse...

Tanta verdade nas tuas palavras, somos feitos de uma intensidade semelhante
Sabes que gosto de te ver por aqui, gosto sim.
:))

Sil disse...

Obrigado pela presença, volta sempre.
:)