13.5.13

Entre[laço]


"Corpos entrelaçados
Uma coreografia intensa. Uma alquimia dos sentidos. Os corpos depõem-se na sua nudez, reduzem-se à simplicidade dos gestos espontâneos conduzidos pelo desejo. Arfando, suando, mostrando a temível beleza que apoquenta os sábios de todas as moralidades. Nesses instantes em que os corpos descem do pedestal da superioridade da espécie, tão parecidos com os animais que arqueiam a sua irracionalidade.
As mãos que se tocam, os olhares furtivos, os lábios marejados que derramam arrepios. Debatem-se, os corpos. Trocam-se, os corpos, nos irreflectidos gestos que emprestam animalidade. Dos gestos perfumados pela beleza da espontaneidade. Os fogos que se incendeiam, nem que a paisagem seja toda composta pelo branco árctico. A cumplicidade dos corpos entrelaçados, num hino sublime aos sentidos expostos em toda a sua nudez. "
Paulo Vila Maior.

4 comentários:

Eros disse...

Raios... que intensidade latejante!
Sublime!

Beijo Sil... caramba, como me incendiaste a noite com a publicação destas palavras do Paulo. Bela escolha

Sil disse...

Eros,
:)
De intensidade são feitas todas as danças, quando o são de corpo e alma.

Estrela disse...

Adoro Laços Sil!
Unem sem amarrar, delicados e ousados, sublimes como estas as palavras que os descrevem.

Beijo *Estrela*do*

Sil disse...

Também gosto, como tu dizes unem sem amarrar.
:)